Gabriel Fauré: Requiem

Ernani Aguiar: Aleluia Oxala

Eliseu Mera, barítono

Mila Ut, soprano

Orquestra Clásica de Vigo

Coral da Orquestra Clásica de Vigo

Coro Friedenskirche

 

Teatro Afundación, Vigo, 4 de outubro às 20h30

Fernando Swiech, diretor

Kulturkirche Altona, Hamburg, 12 de outubro às 20h.

Manuel Martínez, diretor

Programa de zarzuela com a soprano Esperanza Mara e a Banda Ateneo Musical da Pobra no Teatro Elma, dias 11 e 12 de agosto. Para a reserva de bilhetes deve-se ligar ao 981 843 281.

Interpreto as peças a seguir:

– Jacinto Guerrero: “Mi aldea”, Los gavilanes.

– José Serrano: “Junto al puente de la peña”, La canción del olvido.

– Pablo Sorozábal: “Calor de nido” e “Somos dos barcas”, Katiuska.

Imagens da interpretação de Der Schulmeister de Telemann o passado 30 de junho na Igreja de Nossa Senhora da Mercê, com a Orquestra Praeludium e a Escolania da Catedral de Santiago, dirigidas por Mateo Iglesias e por José Luís Vázquez.

Regresso este sábado ao Barroco -e a Compostela- com esta maravilhosa cantata cómica atribuída a Telemann.

Imagens de Olalla Lojo do concerto do passado 15 de março, onde interpretámos Labirinto azul (I). Poemário Vindel do Juan Eiras com a Orquestra Clássica de Vigo.

O próximo 15 de março, no Auditório Municipal de Vigo, recuperamos Labirinto azul (I). Poemário Vindel de Juan Eiras com a Orquestra Clássica de Vigo, dirigida por Manuel Martínez. Trata-se da minha segunda colaboração com esta orquestra, com a qual já interpretara o Te Deum de Charpentier. 

Esta obra, em cuja estreia já participara em 2014, programa-se com a intenção de despedir o Pergaminho Vindel da sua estadia no Museu do Mar de Vigo.

Mais informação e venda de billetes aqui.

Uns dias atrás recebim uma encomenda mui especial: interpretar o papel solista da cantata cómica de Telemann Der Schulmeister. Vai ser o próximo junho com o coro da Escolania da Catedral de Santiago, que dirige o meu bom amigo José Luís Vázquez, acompanhados pola orquestra Praeludium dirigida por Mateo Iglesias.

O passado 23 de dezembro, eu e o Cándido Cabaleiro tivemos o privilégio de dar um pequeno recital na Casa de Rosalia, utilizando mesmo o piano que possuía a família da poeta. Uma das peças que soaram foi esta “Dous cantares” de Fernando Buide.

Neste recital organizado pol@s Amigos da Ópera da Corunha, que inclui canção galega, ópera e zarzuela, vão me acompanhar a soprano Alba López Trillo e o pianista Gabriel López.

Este Ciclo de Lírica inclusiva tenciona aproximar o canto lírico a espaços onde não tem presença habitual. Neste caso, imos atuar no Centro Cívico dos Malhos em 2 de novembro às 19h00.

Programa:

I
Giacomo Puccini: “Sola, perduta, abbandonata”, Manon Lescaut. 
Gaetano Donizetti: “Gioco di rea fortuna… O Lisbona, alfin ti miro”, Don Sebastiano.
Wolfgang A. Mozart: “Il core vi dono”, Così fan tutte.
Giuseppe Verdi: “Merce dilette amiche”, I Vespri siciliani.
Ambroise Thomas: “O vin, dissipe la tristesse!”, Hamlet.
Giuseppe Verdi: “Pura siccome un angelo”, La traviata.

 
II
José Baldomir: “Maio longo”.
Juan Durán: “Un repoludo gaiteiro”.
Joám Trilho: “Rosa de abril”.
Fernando L. Briones: “Lela”.
Reveriano Soutullo e Juan Vert: “Los cantos alegres… Ya mis horas felices”, La del Soto del Parral.
Ruperto Chapí: “Carceleras”, Las hijas del Zebedeo.
Pablo Sorozábal: “Que dices, Katiuska?”, Katiuska.

Em 15 de fevereiro vou participar no lançamento do livro de partituras Cantigas líricas galegas, da autoria de Antón de Santiago e publicado por Edicións Fervenza. Vai ser no Auditório da Sede da Afundación na Corunha às 20h00.